CUIABÁ

ENTRETENIMENTO

‘Torre das Guerreiras’ traz trajetória de Ana Maria Ramos Estevão

Publicados

ENTRETENIMENTO

source
Livro tem prefácio feito por Dilma Rousseff
Reprodução 13.05.2022

Livro tem prefácio feito por Dilma Rousseff

Presa três vezes durante a ditadura militar brasileira (1964 – 1985) e exilada em Paris, Ana Maria Ramos Estevão contou sua história em um livro de memórias que chamou de “Torre das Guerreiras” (Ed. 106 memórias) uma referência à Torre das Donzelas, nome dado ao local onde as mulheres presas na ditadura eram levadas. 

E sobre o nome do livro Ana Maria fez uma observação muito interessante sobre como as histórias, em especial as infantis, nomeiam as cadeias: Homens presos em calabouços e mulheres sempre em Torres. Lembram da Rapunzel, Bela Adormecida? E durante a ditadura a realidade imitou os contos de fadas, pois de fato a cadeia feminina era uma Torre. 

Ana Maria relata tudo com muita coragem, pois absolutamente não deve ser fácil reviver toda a história, os momentos de terror e tortura que passou presa. Conta inclusive como viu e ouviu companheiros serem torturados para que delatassem outros. Narra também o quanto esse momento iniciado em 1970 com a primeira prisão reverberou muito tempo em sua vida: “O exacerbamento do meu instinto de sobrevivência e a mudez perante grande público são marcas deixadas pela tortura e que trago até hoje”, conta a autora.

Leia Também:  Morre Paulinha Abelha, vocalista da Calcinha Preta, aos 43 anos

Na Torre das Guerreiras, Ana Maria ficou presa com a ex-presidenta Dilma Rousseff, que inclusive escreveu o prefácio, e em relato conta curiosidades sobre a personalidade de Dilma como seu tom de voz ser “invariavelmente professoral e de comando” e que era ela quem apelidava as mulheres. Além da ex-presidenta também estiveram Maria do Carmo Campelo (já falecida), Eliana Rollemberg, Guiomar Silva e tantas outras guerreiras. 

Livros assim, com memórias sobre torturas, cárceres sem chance de defesa, sempre fazem nos questionar sobre nossas escolhas, sobre o que aconteceria, ou onde estaríamos se tivéssemos feito outras escolhas, Ana Maria diz: “Tenho certeza que não faria outra escolha, mesmo vendo depois de tanto tempo tenho minha consciência em paz e a certeza de que aquele era o melhor caminho no contexto da época”. 

Embora  o período relatado no livro seja bastante sombrio e pouco debatido abertamente, os livros têm sido o melhor meio para que histórias como essa se perpetuem. E livros de memórias, que trazem tudo tão vívido e detalhado, se tornam ainda mais importantes. Nunca será fácil, imagino, falar ou relembrar momentos como esses, mas é de extrema importância essa coragem de expor e falar sobre uma parte da nossa história que muitos ou tentam abafar ou até enaltecer. 

Leia Também:  Matheus e João Guilherme levam web à loucura com ideia de nova boyband

Para pautas e sugestões:  [email protected]

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ENTRETENIMENTO

‘Power Couple’: Record não pode errar ao lidar com briga no reality

Publicados

em

Por

source
Volta de casal Brenda e Matheus despertou a ira de Hadballa
Reprodução/PlayPlus

Volta de casal Brenda e Matheus despertou a ira de Hadballa

Desde a primeira semana de “Power Couple Brasil”, quando os casais já começaram o reality mostrando estar dispostos a tudo, dava para prever que a coisa sairia do controle muito antes da final. Pois bem, a atração da Record durou um mês até que a casa se perdesse em um espetáculo de baixaria, tortura psicológica, posturas homofóbicas e muita agressividade ao vivo. Agora cabe à emissora escolher como vai lidar com tudo isso, que já ultrapassou a barreira do entretenimento.

Não tem condições de o episódio de hoje começar com o mesmo texto de sempre, dizendo “aquela treta que a gente adora” ou qualquer variante do tipo. Existe uma diferença entre querer ver o conflito em um reality show, já que um paraíso onde todo mundo acha tudo lindo não tem graça de assistir, e ver pessoas aflorando os mais primitivos instintos, tentando invadir um quarto destruindo a parede para espancar o colega de confinamento.

Leia Também:  'Power Couple': Galisteu nega desistência de Hadballa e Eliza

Resumindo rapidamente o que aconteceu nas últimas horas temos Adriane Galisteu ignorada enquanto apresentadora pelos participantes, Hadballa descontrolado atacando Matheus e usando discurso homofóbico e violento sexualmente ao vivo, produção do programa tentando intervir e também não sendo respeitada pelos confinados, segurança da emissora dentro da casa, Rogério usando um vaso para partir pra cima de Cartolouco, Baronesa trancada num quarto desesperada e implorando para poder ajudar o marido, e por aí vai.

O ‘Power Couple’ já eliminou o casal Diego Grossi e Franciele Almeida por ter considerado uma ameaça de agressão do modelo violenta demais. E agora, o que a emissora vai fazer com ao menos quatro casais que passaram do ponto?

Reality show não pode ser parado, mas não podemos promover na TV aberta um espetáculo violento física e psicologicamente, capaz de despertar os piores gatilhos em quem assiste, onde o respeito pela vida e integridade do outro não existe. Sobre isso, já basta as notícias revoltantes e absurdas que invadem diariamente os noticiários . Não existe entretenimento. É a organização enquanto sociedade que está em jogo.

Leia Também:  Jeniffer Nascimento foi barrada de teste por não ter "perfil europeu"
Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA